Artesão aposta no reciclável como fonte de renda

0
533
» Dionatan vende artesanato na feira e na Escadaria Jamille Daher, no Centro

O artesão Dionatan Dias, 27 anos, decidiu investir no material reciclado como fonte de renda. Desde ano passado, o artesão utiliza jornal como principal mão de obra, para fabricar cestas, fruteiras, jarros e bonecos, tudo produzido de forma artesanal.

Para a venda, o ponto do artesão é na Escadaria Jamille Daher, no Centro. É ali que são vendidos cerca de oito unidades dos produtos por semana. Já aos sábados, a vez de faturar é na feira, ao lado do Mercado Municipal, local onde vende em média 15 unidades. “É um trabalho interessante e diferenciado. As encomendas também serão bem vindas, caso alguém se interesse em ajudar o meio ambiente e ter em casa, um produto personalizado”, diz Dionatan.

O artesanato custa de R$ 5 a R$ 50, dependendo da peça. Toda a produção é desenvolvida em casa à noite, já que o rapaz passa o dia ocupado com as vendas.

Evangélico e membro da Igreja Adventista, o artesão que mora com a esposa, paga o aluguel através do dinheiro que consegue lucrar com a vendas dos objetos fabricados com as próprias mãos. “Muita gente tem preconceito e acha que isso não é trabalho, o pessoal da igreja me incentiva. Eu tinha emprego fixo, fiquei desempregado, como já sabia fazer artesanato, resolvi investir nisso, até que encontre outro emprego para manter a casa. Mas parar de mexer nisso, eu não paro, mesmo tendo o emprego fixo”, fala.

Apesar de ser de Nova Venécia, Dionatan morava em Vitória e trabalhava em uma gráfica, também já atuou no ramo da cerâmica e lavador de carros. “Aprendi o artesanato sozinho, tenho orgulho do que faço, não é qualquer um que consegue fabricar estes objetos”, conta.

O artesão utiliza além do papel de jornal, cola, pincel, verniz e tinta, como material para deixar suas obras do jeito que ele gosta. “Além disso tudo, o principal material que uso é o amor e a força de vontade. Fazia artesanato como entretenimento para presentear familiares e amigos, hoje vivo dele, é gratificante também”, declara.

Compartilhar

Deixe uma resposta

*