CMEI Maria Pereira Carrasco participa de Concurso do Programa Agrinho

0
75

Crianças que estudam CMEI Maria Pereira Carrasco participaram de várias ações durante o mês de agosto, por meio do projeto ‘A abelha sem ferrão não faz mal, faz mel!’. A iniciativa foi desenvolvida com o propósito de que a escola pudesse participar do concurso realizado pelo Programa Agrinho. E deu certo.

Neste mês, acontece a primeira seleção, onde serão classificados três projetos desenvolvidos em escolas do município e três desenhos de cada turma por etapa de ensino. Em dezembro, será a cerimônia de premiação a nível estadual em Vitória. O 1º, 2º e 3º colocados, receberão, respectivamente, um notebook, uma bicicleta e uma mochila.

Nessa perspectiva, a diretora escolar, Daniela Bastianello Arcanjo, que elaborou o projeto pedagógico, comenta sobre a prática. “O projeto tem o objetivo de estimular as crianças a conhecer a importância das abelhas e a relação desses animais com a produção de alimentos e a preservação da biodiversidade nos ecossistemas”, disse a diretora.

Com destaque nas abelhas nativas sem ferrão que fazem parte da biodiversidade e importante agente no processo de polinização de culturas agrícolas, a escola promoveu uma palestra com o tema: “Conhecendo as abelhas sem ferrão! Você é amigo delas?”, que foi desenvolvida em parceria com o assessor Fábio Foerste Tesch.

Dia da Família na escola

No último dia 28 de agosto, a equipe escolar do CMEI Maria Pereira Carrasco promoveu o Dia da Família na Escola, com momento de formação e socialização com as famílias sobre as ações desenvolvidas no Projeto Agrinho.

Neste dia, além de apresentar as ações desenvolvidas no projeto, as crianças fizeram apresentações musicais, campanha educativa para o cuidado com as abelhas e o meio ambiente e apresentação da peça “A Doença da Terra”, envolvendo a temática do projeto.

Na ocasião foram entregues certificados às crianças que participaram do Programa Agrinho, conferindo-lhes o título de “Amigo das Abelhas!” e as famílias ainda foram agraciadas com um pote de mel como lembrança.

A diretora ainda ressaltou a importância do desenvolvimento do projeto. “Estas espécies de abelhas estão sob ameaça, devido o uso massivo de agrotóxicos, a monocultura e o desmatamento em grande escala que são umas das principais causas da mortalidade das abelhas no planeta. Uma forma de minimizar esse problema é a educação ambiental no ambiente escolar, que deve ser iniciado com as crianças da educação infantil”, concluiu Daniela.

Compartilhar

Deixe uma resposta

*