Cresce o número de internações de portadores de HIV no São Marcos

0
638
» O diretor administrativo do Hospital São Marcos, Alessandro Aguilera

A Rede Notícia de Comunicações, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde e o Hospital São Marcos, realiza nesta sexta-feira, 09, um grande evento de conscientização e prevenção à disseminação do vírus HIV.

O evento, intitulado “A Vida é Melhor sem Aids”, tem como principal objetivo, mostrar as precauções que os foliões precisam tomar durante o período carnavalesco.

A ação será realizada nas imediações do Ifes de Nova Venécia e tem início previsto para às 16h. Durante a promoção, haverá distribuição de panfletos educativos, preservativos, além de muitos brindes da Rede Notícia.

Na semana passada, a reportagem da Rede Notícia entrevistou o Secretário de Saúde, André Fagundes, para falar sobre a Campanha. Hoje, é a vez do diretor administrativo do Hospital São Marcos, Alessandro Aguilera.

Durante a entrevista, Alessandro falou sobre a Campanha, a participação de profissionais do Hospital nela, o aumento de internações de portadores do HIV na unidade hospitalar, entre outros assuntos. Confira:

Campanha “A Vida é Melhor sem Aids”

“Novamente, abraçamos essa causa, junto com a Secretaria Municipal de Saúde, a Rede Notícia de Comunicações e os demais parceiros que estão participando desta Campanha, que será a primeira de 2018. Ao longo do ano, iremos desenvolver outras atividades, que já estamos tomando a frente com a nossa equipe de Educação Continuada e, posteriormente, iremos convidar outros segmentos para estar participando, considerando a preocupação que estamos tendo com o aumento das internações que estamos tendo no Hospital, oriundas, tanto do HIV, como de outras infecções sexualmente transmissíveis (IST’s). Temos visto que internações com essas características tem aumentado e nós temos nos preocupado bastante com isso. Sabemos que o número de soropositivos na nossa região é altíssimo, proporcionalmente ao número de habitantes. Sabemos que, até então, antes do município iniciar as buscas ativas, as informações eram passadas diretamente para São Mateus, então, não tínhamos um número tão preciso, mas já sabemos que a Secretária de Saúde, desde a gestão passada com o Kim Barbosa, passando pela atual, com o André Fagundes, começou a fazer a busca ativa e nós já podemos ver o quanto vem aumento o número de casos confirmados ano após ano. Em 2017, foram 18 novos casos e isso tem nos preocupado bastante, porque eu acredito que esse número é bem maior e, provavelmente, nós iremos evidenciar isso em 2018. Então, já antevendo essa condição que iremos ter, nós já estamos nos preparando para poder trabalhar de uma forma mais incisiva essa Campanha, ainda mais pelo período que estamos iniciando, que é o de Carnaval, em que o número de casos tende a aumentar e a gente tende a se preocupar menos com os cuidados nesse sentido. Eu aproveito a oportunidade para pedir que, principalmente os jovens, curtam o Carnaval, mas de forma segura. Que eles tenham essa preocupação o tempo todo com eles, porque o Carnaval é o momento, são alguns dias, mas a Aids, infelizmente, ainda não tem a cura. Então, por um momento de distração, um momento de bobeira, pode prejudicar o resto da sua vida. Então, eu peço que todos tenham consciência disso e o intuito da nossa Campanha é justamente esse. Conscientizarmos a todos que curtam o Carnaval de forma sábia e responsável, porque o prejuízo pode ser para o resto da vida”.

Objetivo

“Nós estaremos lá com a nossa equipe, com enfermeiros, técnicos de enfermagem e membros da Educação Continuada do Hospital, auxiliando na conscientização das pessoas que estarão indo curtir o Carnaval nos balneários que a região oferece, e, também, estaremos distribuindo panfletos educativos, alguns brindes do Hospital e auxiliando na distribuição de preservativos que a Secretaria de Saúde nos passou. O principal, é ter esses membros do Hospital que convivem, diariamente, com essas doenças e com portadores de IST’s e que estarão lá fazendo quase que um testemunho do que vivenciam todos os dias. Isso é muito importante. É ter que está envolvido diretamente no atendimento dessas pessoas, auxiliando nessa Campanha”.

Internações

“Nós já estávamos identificando esse aumento de internações, discutindo com nossas equipes multidisciplinar e de profissionais médicos e isso já estava sendo evidenciado aqui no Hospital. Como nós comunicamos sempre esses casos ao município, nós demandamos à Secretaria de Saúde e foi visto que nós teríamos que trabalhar de uma forma mais incisiva essa Campanha e abraçar essa causa, além de desenvolver outras atividades. Há um ano e meio, nós iniciamos um trabalho nas escolas, junto à Equipe de Educação Continuada que temos no Hospital, e esse ano pretendemos, novamente, irmos com os parceiros para desenvolvê-lo outra vez, porque a conscientização tem que começar na adolescência. A educação sexual tem começado cada vez mais cedo, então, temos que ir, justamente, nas escolas, e é isso que vamos começar a fazer”.

Sigilo no tratamento

“Nós temos que garantir, por lei, o sigilo do nome da pessoa. Então, para quem suspeita, o município fornece testes rápidos gratuitamente, e o Hospital fornece a continuação do tratamento, de forma complementar, também gratuito. As pessoas que tem algum tipo de dúvida, não precisam se preocupar quanto a isso. O tratamento é totalmente sigiloso. Quem já possui, que tem algum problema nesse sentido, que busque a Secretaria de Saúde ou os postos dos bairros, para fazer os testes rápidos e, depois, complementa o tratamento junto a nós, aqui no Hospital, de forma totalmente sigilosa”.

Outras IST’s

“Nós temos observado que, principalmente a Sífilis, teve um aumento no número de notificações e temos percebido, também, que são cada vez mais jovens. Temos observado, também, alguns idosos, que era algo que não víamos tanto e entendemos que é em função do uso de medicamentos voltados para a melhoria da atividade sexual, o que tende a ser uma tendência. Nós temos evidenciado na chamada “terceira idade”, algumas infecções relacionadas à HPV, confirmadas aqui no Hospital. Nesse caso, o preservativo entra, novamente, nessa discussão. Às vezes damos importância somente para a Aids, mas também existe a HPV, que pode causar muitos transtornos à saúde das pessoas. Infelizmente, a vacina é só para adolescentes, mas o HPV pode ser contraídos por qualquer pessoa de qualquer idade”.

Ações

“A ideia é que nós façamos ações em todas as escolas de Nova Venécia e pretendemos desenvolver outras em Vila Pavão, que é um município muito próximo a nós e que o Hospital dá todo suporte à sua saúde”.

Juventude menos preocupada

“Eu não sei se seria menos preocupado. Acho que é mais aquela sensação de “não vai acontecer comigo”. O HIV não tem cara. Às vezes, achamos que a juventude olha a cara, achando que tal pessoa, por ser de família A, B ou C, não vai ser portadora. Mas o HIV não tem classe social e não tem cor. A juventude de hoje deveria olhar dessa forma, o que, às vezes, cai no esquecimento. E é o que eu disse: aquele momento que você deixa de se preocupar, pode acabar prejudicando a sua saúde e a sua vida. Infelizmente, não tem cura ainda. Um dos estudos mais avançados em Aids, está sendo realizado no Brasil. Nós temos visto alguns artigos em que já estamos bem avançados na estabilização do vírus, ou seja, ele não evolui mais, muito por conta dos medicamentos que estão sendo lançados no mercado e pelos estudos que estão sendo feitos, mas, infelizmente, a cura ainda não foi evidenciada. Então, os adolescentes de hoje devem perceber que não existe classe e não existe cor. A Aids está presente no nosso dia a dia, na nossa sociedade e em qualquer lugar. É isso que temos que pensar. Que há qualquer momento, seja com quem for, por um momento de descuido, podemos estar prejudicando a nossa vida”.

Gestação

“Eu entendo que as gestantes, a partir do momento em que é identificado no pré-natal. Por isso, eu chamo sempre a atenção das mães para se preocuparem com o pré-natal e atender todas as consultas e exames necessários, porque se, possivelmente, for identificado a situação de um soropositivo com uma gestação em decorrência, o quanto antes, nós estaremos realizando o tratamento junto à mãe desde a sua gestação. O que não dá é descobrir um soropositivo com uma gestação no final. Isso prejudica e afeta muito o tratamento do bebê. Mas se a identificação for feita no início, a chance do recém-nascido contrair o vírus é muito pequena”.

Pré-natal

“Ele é feito de forma gratuita na rede básica de saúde. O município oferece toda estrutura para a realização desse pré-natal a todas as mães de Nova Venécia. Já os partos, são feitos no Hospital através do Sistema Único de Saúde”.

Mensagem

“Que se preocupem nesse sentido. Às vezes, a gente acaba bebendo e, nesse período de Carnaval, as pessoas acabam esquecendo de uma coisa muito importante, que é se cuidar, porque é um momento de festa e de alegria. Todos nós já fomos adolescentes e sabemos que, nessa fase, somos um pouco quanto que inconsequentes. Eu peço para que, pelo menos a Aids não saia da cabeça deles. Que ela fique ali martelando, tão quanto a festa do Carnaval. Ou seja, se cuidem, porque eu, particularmente, enquanto responsável pela gestão do Hospital São Marcos, tenho visto que a quantidade de pessoas, cada vez mais jovens, contraindo esse vírus, é assustadora. Por um momento de descuido durante dois, três dias de uma festa que é tradicional no nosso País, a pessoa tem a vida toda prejudicada de uma forma que ela terá que ter um tratamento contínuo diário, além de muitas limitações. Não deixem que isso aconteça com você. Não deixe de se preocupar com sua saúde e não deixe de se preocupar, em momento algum, com a Aids, que pode estar do seu lado”.

Compartilhar

Deixe uma resposta

*