“Foi Deus quem salvou minha filha”, diz empresário veneciano

0
4254
» A jovem, Isabella Vianez Guimarães, com o pai e empresário veneciano, Ronnie Carleche Guimarães, em Nova York

A filha de um empresário veneciano por pouco não presenciou o atentado que aconteceu na tarde da última quarta-feira, dia 14, na escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas, em Parkland, há 55 km de Miami, nos Estados Unidos.

Na ação, o ex-aluno da escola, Nikolas Cruz, de 19 anos, abriu fogo contra estudantes e adultos com uma AR-15, após invadir a escola e acionar o alarme de incêndio. Segundo Scott Israel, xerife de Broward County, 17 pessoas, entre estudantes e adultos, morreram, sendo 12 no local, três do lado de fora e duas no hospital. Doze outras pessoas foram levadas ao hospital e estão sendo tratadas – algumas estão em estado crítico.

De acordo com o empresário Ronnie Carleche Guimarães, sua filha mais nova, Isabella Vianez Guimarães, de 19 anos, estuda na escola há três anos e, por pouco, não presenciou a ação. Segundo ele, no dia, Isabella não estava se sentindo bem e ligou para sua mãe, Márcia Isabel Vianez, buscá-la na escola mais cedo.

De acordo com Isabella, sua mãe costuma se atrasar quando vai buscá-la, mas, nesse dia ela demorou apenas 5 minutos. Na sequência, as duas foram almoçar.

No momento do tiroteio, Isabella estava em casa e conversava com uma amiga no telefone, quando ela desligou desesperada, dizendo que estava havendo um tiroteio na escola.

Segundo Ronnie, Isabella perdeu alguns conhecidos na ação, além de irmãos de amigos, mas mesmo assim, deseja permanecer na escola. “Ela está muito abalada, mas não pretende sair da escola. Isabela se formará no dia 03 de junho e a instituição é muito boa”.

Na escola, estudam cerca de três mil alunos, incluindo, diversos brasileiros.

Isabella disse que o atirador, Nikolas, estudou com ela no ano passado a aula de biologia e sentava ao seu lado. Segundo informações, o ex-aluno foi expulso na escola por razões disciplinares. “Eu não tinha contato com ele, mas ouvíamos ele comentando muito sobre armas e caça”, disse a jovem.

Ronnie disse que ficou sabendo da ação por uma rede social, após sua filha mais velha postar que estava tudo bem com Isabella. “Eu não estava acompanhando os noticiários no momento. Vi pelo Instagran da Amanda. No momento, deu um frio na barriga e um desespero. Logo, liguei para elas e trataram de me acalmar, dizendo que estava tudo bem e que Isabella não estava na escola no momento do atentado. Foi Deus quem salvou minha filha”.

Isabella mora em Miami há pouco mais de três anos, com a mãe e com a irmã mais velha, e está no 3º ano do ensino médio.

Compartilhar

Deixe uma resposta

*