Governador autoriza repasse para ampliação dos serviços de radioterapia

0
92

O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Saúde (Sesa), vai repassar R$ 12.455.939,37 ao Hospital Evangélico de Vila Velha (HEVV) para a construção de um bunker subterrâneo para a implantação de um acelerador linear, um dispositivo utilizado dentro do serviço de radioterapia. O convênio foi assinado durante solenidade realizada na manhã desta terça-feira (20) com a participação do governador Renato Casagrande e do secretário da Saúde, Nésio Fernandes, entre outras autoridades.

O Termo de Fomento nº 9086/2018 foi celebrado entre a Sesa e a Associação Evangélica Beneficente do Espírito Santo (Aebes), compreendendo o repasse para as obras – que serão iniciadas imediatamente após a consolidação do acordo. Um bunker é uma estrutura subterrânea de concreto utilizado, no caso de equipamentos de radiologia, para evitar a exposição da radiação.

A obra faz parte do complexo oncológico do HEVV, e tem como objetivo humanizar e ampliar os serviços de radioterapia no Estado, gerando melhoria na qualidade do atendimento oncológico também aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

O governador Casagrande ressaltou a importância dos investimentos para ampliação do tratamento contra o câncer. “Uma doença grave como essa, que assusta a todos nós, carece de uma atenção maior de políticas públicas. É necessário dar conforto ao paciente e à família. Por isso, estamos avançando para oferecer mais qualidade no tratamento do câncer no Estado. O que nós desejamos na verdade é que nossos hospitais estejam cada vez mais qualificados para atender todas as demandas”, afirmou.

Com a implantação do equipamento, que será instalado como uma Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), os serviços de radioterapia serão ampliados para até 600 novos casos por ano. A unidade terá perfil de atendimento ambulatorial, oferecendo consultas, quimioterapia e radioterapia e internação inclusive para cuidados paliativos.

A previsão é que, com o investimento, sejam realizadas cerca de 21 mil consultas, 13.200 quimioterapias e 59 mil radioterapias por ano. “O Hospital Evangélico passa, a partir dessa nossa ajuda em construir o local, a cumprir um papel importante. O câncer é uma doença que exige um tratamento muito intenso e ter um hospital com a expertise em alta complexidade dá ainda mais segurança a quem precisar utilizar esse serviço”, enfatizou Casagrande.

O secretário da Saúde, Nésio Fernandes, celebrou a parceria que vai transformar a unidade em referência no tratamento de câncer. “Estamos vivendo um momento de crise nacional, de dúvidas na economia do País, mas o Espírito Santo decide apostar na parceria com uma entidade tão respeitada, tradicional e histórica, que é a AEBES. Estar aqui hoje junto com vocês aportando esses R$ 12 milhões para a construção dessa Unacon, especificamente, para poder viabilizar os equipamentos de radioterapia, é um grande passo para a saúde pública”, disse.

Fernandes defendeu ainda a organização de toda a rede de atendimento da saúde pública, iniciando pela atenção básica como a porta de entrada principal. “Esse hospital e outros 20 ou 30 a serem construídos não darão conta de diagnosticar câncer de forma tardia. Para um diagnóstico de câncer precoce, a tempo, é obrigatório que haja uma Atenção Básica fortalecida, grande e que seja resolutiva”, lembrou o secretário, citando que o projeto de saúde pública que vem sendo desenvolvido contempla também a Atenção Especializada e a Atenção Hospitalar. “Poder nesse primeiro ano de Governo anunciar os projetos que temos anunciado, apontar o caminho para a transformação no modelo da saúde pública é algo que passa muita segurança e coloca a saúde pública como uma luz para o restante do País”, asseverou Fernandes.

O presidente da Aebes, Alexander Mendes Cunha, também falou sobre a parceria com o Governo do Estado. “Hoje estamos começando a construir uma nova história e junto com as colunas que começarão a ser erguidas, serão plantados também esperança para muitas famílias, muitas pessoas que sofrem, que precisam de um atendimento mais humanizado, de um acolhimento diferenciado para tratar as suas enfermidades.”

Compartilhar

Deixe uma resposta

*