Há 43 anos, surgia a primeira academia de Nova Venécia

0
545

A primeira academia de Nova Venécia teve início em 1975, quando a então recém formada em educação física, Maria Neide Zaché, abriu o Instituto de Cultura Física de Nova Venécia, no Colégio Estadual, que funcionava onde hoje é o Centro Comunitário da Igreja Católica de São Marcos, em Nova Venécia.

Com cerca de 30 alunos, Neide, que se formou aos 21 anos, comprou colchonetes, materiais necessários e começou a dar as aulas de ginástica localizada, em uma sala cedida pela diretora do Colégio Estadual.

Naquele tempo, a novidade foi caindo no gosto das venecianas e o progresso no ramo fitness foi crescendo. Após três anos, a academia que ainda não tinha nome, foi transferida para o Edifício Kayena, ao lado da Praça do Imigrante.

“As mulheres começaram a pensar em se cuidar, visando não somente estética, como a saúde também. Foi um trabalho maravilho, tenho orgulho de ter sido a precursora em minha profissão, na cidade onde nasci”, conta Neide.

Neide foi a primeira veneciana a se formar em educação física e a empreendedora responsável por trazer a novidade para a região, que virou ponto de encontro de uma geração que despontava, como a primeira a frequentar uma academia na cidade. “Comecei a dar aula muito nova e, de repente, me vi sendo professora de gente de todas as idades. Frequentar academia era visto como algo moderno na época, era novidade”, conta.


Os proprietários da Tração Academia

Inaugurada com o nome de Instituto de Cultura Física de Nova Venécia, o empreendimento passou a se chamar Tração Academia na década de 80.

– Maria Neide Zaché
Formada em educação física na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)
Professora das escolas Dom Daniel Comboni, Claudina Barbosa, Veneciano, Polivalente e Maria Rodrigues Leite.

– Edson Luiz Zaché (Kiabinho)
Formado em educação física pela Universidade Federal de Viçosa (UFV)
Professor da Tração Academia e das escolas: Maria Rodrigues Leite, Veneciano, Claudina Barbosa, Bairro Altoé, Tito Santos Neves, Evolução, Escola e Faculdade São Geraldo (Vitória); também deu aula de natação no Colina, AABB e Alvares Cabral (Vitória).


Musculação para os homens e jazz para as crianças

» Na década de 80, Kiabinho também se formou e ampliou a Tração Academia, com exercícios voltados para os homens

Funcinando por 10 anos tendo somente exercícios físicos para as mulheres, em 1985 foi a vez dos homens terem espaço para o exercício físico personalizado.

Formado em educação física pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), aos 29 anos, Edson Luiz Zaché, mais conhecido como Kiabinho, entrou como sócio no empreendimento da irmã, e juntos, inauguraram a Tração Academia, no extinto Truck’s Bar, em frente a delegacia. O espaço passou a ter além da ginástica localizada e aeróbica para as mulheres, a ginástica masculina e corretiva, e musculação. Foi o momento também, das crianças aderirem às atividades, e a primeira turma de balé foi montada, com a professora Cátia Altoé. Já a de jazz e dança para as meninas, era sob o comando de Neide.

Entre os primeiros alunos de Kiabinho, Antônio César Cunha (Geba), César Fiel e o médico pediatra Wilson Barcelos da Silva Filho.

“Nós compramos os aparelhos e foi chegando mais alunos. O espaço estava se tornando pequeno, e tivemos que mudar de local”, explicam Kiabinho e Neide.


Mais alunos e um espaço maior

A mudança da Tração Academia foi para o extinto Chalé, no bairro Margareth, depois passou a funcionar no centro da cidade, em cima da extinta Loja Passarela, voltando com atividades para o Chalé novamente.

Nesta época, o professor Gilmar dos Santos inaugurou aula de Karatê para as crianças. Com mais de 300 alunos, os irmãos ficaram juntos no empreendimento até 1996, quando Neide mudou para Vitória e a Tração ficou somente com Kiabinho. Um ano depois, o professor de educação física e personal trainer também mudou-se para capital, passando o comando da academia para outro empreendedor.

A Tração Academia fechou em 1998, deixando muitas saudades e fazendo história em Nova Venécia.

» Desfile cívico representado pelos alunos de Neide e Kiabinho Zaché

Roupas personalizadas

Os alunos da academia não precisavam comprar roupa de ginástica em outra cidade, já que a professora Neide, também abriu na década de 80, a Tração Malharia, com foco voltado para uniformes de treinos, a única do município.

Com roupas exclusivas da Tração, as mulheres usavam geralmente, colan, meia calça, polaina e sapatilha. As crianças do balé e do jazz, também tinham seus uniformes personalizados na malharia. Os grupos de dança infantis fazia. apresentações em escolas, desfiles cívicos e eventos, tudo sob o comando de Neide Zaché e Cátia Altoé.

A fábrica funcionou na Rua Salvador Cardoso, e também foi fechada, com a mudança de Neide para Vitória.

» O extinto Chalé, no bairro Margareth também foi local de instalação da Tração Academia
» Roupas da alunas eram personalizadas, com o nome Tração Academia

 

Compartilhar

Deixe uma resposta

*