Restaurando preciosidades

0
218
De acordo com Maria Alice, toda restauração realizada por ela, acontece em meio a orações

Peças que já presenciaram muitas conversas e rotinas familiares nos lares. Também que já testemunharam muitos casamentos, batizados e acompanharam a fé de muita gente por décadas. A verdade é que muitos objetos carregam em si, um mundo de recordações. Talvez seja por isso que, a restauração de imagens sacras, sempre terá sua vez.

Para suavizar e eternizar a idade avançada de esculturas, a restauradora e artista plástica Maria Alice Capucho Gobbi, 50 anos, é referência no assunto em Nova Venécia. Para a revitalização, os materiais utilizados fazem toda diferença. Lixa, removedor, palha de aço e até durepoxi, compõem o arsenal, sem contar com material utilizados por dentistas. “Muita imagens quando chegam até a mim, estão com consertos grotescos. É preciso refazer mãos, dedos, pedaços do corpo. Muita gente pode perguntar, do por que restaurar e não comprar um outro Santo? Desfazer de relíquias que estão em  famílias há mais de 70 décadas, não faz sentido”, diz a restauradora.

Além de ser cuidadosa com cada detalhe, Maria Alice diz que também costuma estudar cada imagem que chega a seus cuidados. “Há esculturas que receberam reforma antes de chegar aqui, e por isso, acabam ficando descaracterizadas, como é o caso da Santa Roza de Lima, que veio da comunidade Santa Rosa, no Córrego do Limão, Vila Pavão. Olhei para ela e vi, que os olhos da verdadeira Santa são meigos, e logo pesquisei na internet. Ao lixá-la, constatei que a pintura feita no reparo, estava errada. Refiz a expressão legítima dela e o resultado ficou formidável”, conta Gobbi.

Conservar ao máximo a originalidade das peças é requisito da artesã. No momento Maria Alice está restaurando as imagens São José e no Sagrado Coração de Jesus, um busca  um trabalho preciso, para ter certeza que a restauração vai dar certo, e a peça se perca.

“A imagem mais difícil que já restaurei, foi a Nossa Senhora da Saúde. A mão dela chegou aqui quebrada e a cor da imagem era diferente da original, pintaram por cima. Essa Santa é da comunidade da Saúde, do Refrigério, que já tem 89 anos. Com certeza é uma escultura que veio da Itália, pois os olhos são de vidro. Além disso, é uma imagem que tem história e está nessa região, desde o início de sua formação, quando as primeiras famílias chegaram por lá. Quando a primeira capela foi erguida, esta Santa ocupou o altar e está lá até hoje”, conta.

Conservação e crença

Os valores de restauração variam de escultura. De acordo com a Maria Alice, tem imagens que precisam de pequenos reparos apenas e custam R$ 25, já outras, R$ 400. O tempo gasto para cada restauração, depende do estado e do que precisa ser feito na imagem. Tem trabalhos mais demorados, que chegam a dois meses de muita dedicação.

“O valor sentimental faz muita diferença na hora de avaliar preços. Têm encomendas que vejo, que não há condições de pagar pelo preço real, então diminuo. Sem contar que, tenho certeza que cada Santo que chega aqui, não é à toa, é ação de Deus. Sempre trabalho rezando, pedindo proteção divina”, fala.

Há pouco mais de um ano, a artista plástica começou a trabalhar com restauração, e tudo aconteceu por acaso. Como já atuava com trabalhos manuais, o marido trouxe para casa, uma imagem quebrada, para que Maria Alice consertasse. “Ele estava com uma obra em uma igreja e um dos seus funcionários, quebrou o Santo. Acabou que ao entregar a escultura na igreja, a notícia foi que a peça, ficou melhor que estava”, conta.

A bela história de amor pela arte sacra da Maria Alice pelo jeito, tem feito bem não somente para os clientes dela, mas também para ela, que é devota de Nossa Senhora das Graças, e passa mais de oito horas por dia, com algumas de suas paixões: o restauro e as imagens dos santos católicos. Para entrar em contato com a restauradora 9 9958 2726.

– Imagem de Santa Roza de Lima foi restaurada e os olhos, refeitos no modelo original

Nossa Senhora das Graças é da família Merlin
Imagem passará por restauro e terá corpo refeito

 

 

Deixe uma resposta

*