Zumba de graça vira sensação na Praça

0
1883

O comando da dança fica por conta do Neto da Funerária, que a cada dia está levando mais gente para o local, driblando o sedentarismo de muita gente


» Aulas acontecem duas vezes por semana e tem reunido muita gente que vem aproveitando o momento, para sair do sedentarismo e de quebra, aliviar a mente

Há mais dois meses, um movimento está diferenciando a praça Adélio Lubiana. Duas vezes por semana, antes das 18h, o clima já começa a mudar, com a chegada da galera que curte praticar zumba. O point é na pista de patins, em frente a Mecânica Santa Elisa. Não ache estranho se algum amigo te convidar para o evento e falar que é de graça.

A aula virou febre e sensação do momento, sendo ministrada por Virgulino Dutra ou, Neto da Funerária, como é mais conhecido. Amante da modalidade, Neto avisa que não é professor de educação física, nem de dança, e que o momento ali, é só para descontração. “Eu era aluno da zumba na quadra do Iolanda, e como a aula lá acabou, convidei amigos para virem para cá. Trouxe um som e foi assim que tudo começou”, diz Neto.

O sucesso tem sido tanto que, a zumba na praça vem ganhando força, e chega a unir mais de 30 pessoas por aula. “Tem gente que conseguiu sair de casa e vir aqui, estando em depressão. Outras não frequentam academia por vergonha, ou falta de dinheiro, mas encontraram na zumba, um momento propício para aliviar a mente e sair do sedentarismo”, fala.

A repercussão positiva que as aulas de zumba do Neto tem alcançado, pode estar ligada à alegria levada tanto por ele, quanto pelos adeptos ao ritmo. “A cada aula preparo os passos, ensaio em casa e levo tudo pronto, é muito divertido”, diz.

Cerca de 12 faixas de músicas compõem uma hora de aula do Neto, que tem colocado a criatividade e os passos para funcionar. “Eu já fazia zumba com o professor Alex, estou trazendo o que aprendi e renovando”, relata. Para quem se interessou, Neto afirma que não há idade para participar, nem sexo. “É só chegar e colocar o corpo para mexer, vamos levando alegria e tirando o pessoal de dentro de casa, isso que importa”.

Fazendo parte da zumba na praça, as autônomas, Idalina Justiniano e Maria Arlete Mileri Sangiorgio fazem questão das aulas. As duas participam do movimento da zumba já com o professor Alex, e agora, incluíram as aulas do Neto em suas rotinas. “O esporte ao ar livre sempre dá um diferencial e gostamos de incentivar essa dança, para que mais pessoas possam aderir”, explicam.

Já a autônoma, Néia Pereira, veio pela primeira à aula. Praticante da caminhada, Néia foi convidada por uma amiga que já frequenta as aulas do Neto. A comerciante, Detinha Morelo foi a primeira aluna da zumba de graça na praça. No primeiro dia, ela conta que só tinha ela, o Neto, e o som.

Para quem se interessou, as aulas acontecem toda terça-feira e quinta-feira, das 18h às 19h. Já para visualizar vídeos das aulas, pelo Facebook: Virgulino Dutras. Informações: 99958-2747

“A zumba faz bem para o corpo e mente. Como eu já fazia aulas com outro professor, entrei na brincadeira aqui com o Neto também, é muito bom”
Idalina Justiniano
“Já fazia aula com Alex, e o Neto está nos proporcionando mais um incentivo. A aula é muito divertida”
Maria Arlete Mileri Sangiorgio
“Primeira vez que estou vindo, vim a convite de uma amiga que já frequenta a zumba aqui. Ela falou que é legal. Já faço caminhada, mas como gosto de dançar, vim conferir a aula”
Néia Pereira
“Fui a primeira aluna do Neto, no primeiro dia só tínhamos nós dois aqui e o som. Começamos animados e o pessoal que ia passando e nos vendo, acabava participando também”
Detinha Morelo
“Estava passando de carro e vi a animação de longe, fiquei curiosa, parei e olhei. Na outra aula eu já estava aqui e não parei mais, venho e ainda trago papai para ficar olhando o movimento na praça”
Silvia Helena dos Santos
“Tem gente que conseguiu sair de casa e vir aqui, estando em depressão. Outras não frequentam academia por vergonha, ou falta de dinheiro, mas encontraram na zumba, um momento propício para aliviar a mente e sair do sedentarismo”
Neto da Funerária, instrutor
Compartilhar

Deixe uma resposta

*